Seguidores

NOTA: OS ARTIGOS AQUI PUBLICADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES, CITADOS NO FINAL DE CADA ARTIGO. NÃO NECESSARIAMENTE ESTA PRODUÇÃO CONCORDA INTEIRAMENTE COM O ENTENDIMENTO TEOLÓGICO DE CADA AUTOR. TODAVIA, OS PUBLICAMOS COMO FONTE DE CONHECIMENTO E COMO FORMA DE CONTRIBUIR PARA O ALARGAMENTO DO ENTENDIMENTO E A POSSIBILIDADE DE CONHECERMOS VÁRIAS FORMAS DE PENSAR. CABE A CADA LEITOR REFLETIR, À LUZ DA BÍBLIA, SE CONCORDA OU NÃO COM OS POSICIONAMENTOS AQUI ADOTADOS.

terça-feira, 19 de maio de 2015

ELA NASCEU DE UM ESTUPRO INCESTUOSO E TEM ALGO IMPORTANTE A DIZER

5

ELA NASCEU DE UM ESTUPRO INCESTUOSO E TEM ALGO IMPORTANTE A DIZER




Kristi Hofferber foi concebida em um estupro incestuoso, e o que ela pede às mães que, como a sua, passaram por esta experiência é: “Por favor, não abortem os bebês concebidos como eu fui concebida”.

Ela sempre soube que tinha sido adotada. Com apenas três dias de vida, seus pais adotivos já puderam tê-la em seus braços, e isso sempre foi motivo de orgulho para eles, pois não podiam ter filhos. Jamais esconderam isso dela.


Durante sua infância, ela não teve interesse em conhecer sua origem. “Tive uma infância maravilhosa, meus pais me deram tudo de que eu precisava”, contou Kristi. Porém, como acontece com muitos filhos adotivos, chegou uma hora em que ela quis conhecer sua família biológica.


RECEBA NOSSOS POSTS EM SEU E-MAIL

Informações relevantes sobre o cotidiano, segundo a ótica cristã. Insira seu email:


Delivered by FeedBurner
“Tentei fazer isso sem contar aos meus pais adotivos, mas não obtive muita informação e, ao mesmo tempo, sabia que não era a maneira correta, que precisava ser honesta com meus pais. Então, perguntei-lhes diretamente. A resposta não foi nada fácil de ouvir”, disse ela.

Estupros constantes

Os estupros incestuosos padecidos pela mãe biológica de Kristi tiveram como resultado 6 gravidezes, das quais 5 acabaram em aborto (um “espontâneo”, devido aos maus-tratos físicos, e quatro provocados – executados ao amparo de leis pró-aborto, para encobrir o incesto). A 6ª gravidez chegou ao final e dela nasceu Kristi, que foi dada em adoção.

“Eu não esperava algo assim. Nunca havia passado pela minha cabeça. Demorei várias semanas para decidir se queria continuar pesquisando minha história. Se aquilo era assim mesmo, como seria para a minha mãe encontrar-me agora?”, recordou Kristi, que hoje tem 30 anos.

Gratidão pela vida

É preciso ser muito corajosa para enfrentar esta situação! Mas, em sua alma, Kristi sentia que o plano de Deus era que ela encontrasse sua mãe. E não demorou muito em conhecê-la. Após enviar um e-mail à pessoa que ela achava ser sua mãe, recebeu uma rápida resposta. Marcaram um encontro. Kristi pôde conhecer também uma irmã sua e o bebê que esta acabara de dar à luz.

Kristi esteve vários dias na casa de sua mãe biológica, onde conheceu melhor o horror pelo qual ela passou durante 20 anos de estupros por parte do seu pai. Sua mãe tinha 16 anos quando Kristi foi concebida.

“Estou muito agradecida por ter escolhido continuar procurando-a até encontrá-la – confessou Kristi. Eu me senti triste e feliz ao mesmo tempo, pelo fato dela ter me trazido a este mundo. O único que sei sobre o porquê de não terem me matado mediante o aborto legal é que minha mãe biológica decidiu ocultar a gravidez durante um tempo.”

“Após o meu nascimento, ela não tinha certeza se eu tinha sobrevivido ou não, porque não me viu depois do parto; mais tarde, recebeu a informação de uma infecção que eu havia contraído ao nascer. Disseram-lhe que eu havia sido levada a outro hospital para ser tratada, mas que provavelmente não sobreviveria”, contou.

A relação entre mãe e filha não foi fácil, mas elas se falam regularmente. Kristi acredita que Deus as uniu e agradece pelo fato de poder ver sua mãe. Também agradece sua mãe por ter respeitado seu direito à vida.

“São tantas as vidas afetadas pela perda de uma só criança abortada! É difícil só de imaginar quão diferentes teriam sido as coisas, se eu tivesse sido abortada. Agradeço muito à minha mãe biológica por ter me protegido e dado em adoção”, confessa.

“Cheguei a uma família maravilhosa, que me acolheu com os braços abertos e me deu todo o amor e os cuidados de que eu precisava. Também por isso serei eternamente grata!”, exclamou Kristi, cujo marido também foi adotado. Juntos, decidiram adotar um filho também.

Ao conhecer sua verdadeira história, seus objetivos na vida mudaram, e ela decidiu se dedicar a casos como o seu. Hoje, é assistente social e seu objetivo é ajudar mulheres que enfrentam uma situação difícil como consequência da gravidez.

Com relação ao seu pai-avô, ele passou apenas 18 meses na prisão, porque não encontraram provas suficientes para incriminá-lo. Na época, a mãe de Kristi não sabia que sua filha havia sobrevivido – o que certamente teria agravado a pena. O homem morreu há um ano, mas Kristi nunca quis conhecê-lo.

“Sejam quais forem as circunstâncias da concepção de uma criança, esta não pode ser castigada pelo crime do seu pai. Todas as crianças deveriam ter a oportunidade de viver a vida que receberam”, concluiu Kristi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário